80ª Volta a Portugal Santander

30 JUL 2018

Entre os dias 1 e 12 de agosto a equipa Continental UCI Miranda-Mortágua vai fazer a sua estreia na 80.ª Volta a Portugal em bicicleta, a prova mais aguardada da época e que representa um grande desafio para o coletivo que vai participar na montra do ciclismo português.

Os sete corredores que o diretor desportivo da Miranda-Mortágua, Pedro Silva, selecionou para correr a Grandíssima são António Barbio, Nuno Meireles, Jorge Magalhães, Francisco Campos, Hugo Nunes, Gonçalo Carvalho e Pedro Teixeira. Todos eles passaram por um estágio prolongado na Serra da Estrela, onde foi desenvolvido todo um trabalho de preparação para este momento tão importante no percurso da equipa.

Questionado sobre os objetivos para a prova, o diretor desportivo da equipa adianta que a ambição maior seria “um lugar nos 10 primeiros da Geral. Sabemos que vai ser muito complicado”. Mas além deste objetivo concreto existem mais dois: “Lutar em algumas etapas, já definidas, por uma vitória nessa etapa e lutar com dois ciclistas pelo prémio do melhor jovem, com a conquista da Camisola Branca, da Juventude. Quanto às expectativas, essas serão de acordo com o nosso valor, mas tudo o que estiver dentro das nossas possibilidades vai ser feito e cumprido”, garantiu.

São 11 dias de competição, com um de descanso a meio, que iniciam com um prólogo, seguindo-se 10 etapas e um contrarrelógio individual para fechar a 80.ª edição da Volta a Portugal. Num percurso desenhado entre Setúbal e Fafe, no total vão ser pedalados 1.578,9 km por 150 corredores que chegam de 21 equipas.

É a cidade de Setúbal que vai receber o prólogo com 1,8 km de “crono” individual, que vai inaugurar a Volta a Portugal em bicicleta 2018, na próxima quarta-feira, dia 1 de agosto. A partida do primeiro corredor será às 15 horas e o final da prova prevê-se para as 17.30 horas. Para a 1.ª Etapa, 2 de agosto, estão traçados 191,8 km que ligam Alcácer do Sal (partida às 12.45 horas) a Albufeira (chegada pelas 17.25 horas).

Sexta-feira, 3 de agosto, a 2.ª Etapa, que será a mais longa desta edição, parte de Beja às 12.30 horas para uma viagem com 195,3 km, que termina em Portalegre cerca das 17.20 horas. A 3.ª Etapa da Volta – Etapa Vida – vai passar por alguns dos concelhos afetados pelos incêndios em 2017 e conta com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que acompanhará a caravana ao longo dos 175,9 km que unem a Sertã (13 horas) a Oliveira do Hospital (17.26 horas).

Domingo, 5 de agosto, traz a dureza da montanha. O pelotão sai da Guarda às 12.40 horas para cumprir 171,4 km até à Covilhã (alto das Penhas da Saúde, Prémio de Montanha categoria Especial), com chegada prevista para as 17.25 horas. O percurso tem passagem por Gouveia e Seia (Metas Volantes) e vai fazer a subida mítica ao alto da Torre, ao quilómetro 101, com uma montanha de categoria especial. Para o dia 6, 5.ª Etapa, que antecede o dia de descanso, a caravana ciclista vai completar 191,7 km entre o Sabugal (partida às 12.45 horas) e Viseu (chegada cerca das 17.30 horas). A Grandíssima descansa em Viseu, no dia 7 de agosto.

Após o dia de descanso a Volta regressa com a 6.ª Etapa, dia 8 de agosto, uma tirada de sobe e desce entre Sernancelhe e Boticas. No total serão percorridos 165,4 km que iniciam às 13.10 horas e ficam concluídos pelas 17.18 horas. A 7.ª Etapa vai unir Montalegre a Viana do Castelo, com a chegada em alto com uma montanha de 3.ª categoria em Santa Luzia. Serão 165,5 km que ficam assim concluídos, cerca das 17.30 horas.

O percurso de sobe e desce constante regressa com a 8.ª Etapa, dia 10 de agosto, entre Barcelos e Braga, num total de 147,6 km, sendo por isso a mais curta da prova rainha do ciclismo nacional. Com a 9.ª Etapa vão ser percorridos 155,2 km que começam em Felgueiras, de onde parte o pelotão profissional às 12.55 horas para terminar na mítica montanha de 1.ª categoria da Sra. da Graça, em Mondim de Basto.

A 10.ª e derradeira Etapa chega domingo, 12 de agosto, a Fafe, para um esforço individual disputado em contrarrelógio durante 17,3 km, entre as 14 e as 17.30 horas. “A equipa está muito confiante e motivada. Houve um grande cuidado por parte de todos os corredores para estarem na sua melhor forma física. É a corrida do ano! E sabemos que vai ser um desafio muito difícil, visto a idade média dos nossos ciclistas ser muito baixa. Além de serem jovens têm falta de experiência”, explicou Pedro Silva, referindo que apenas dois deles – António Barbio e Nuno Meireles – já passaram pela experiência. Contudo, “todos encaram a Volta como um grande desafio e com a vontade de mostrar o seu valor. Não queremos ser mais uma equipa a participar, queremos ser bem falados”.

Sponsors